quarta-feira, 31 de agosto de 2011

O céu é o limite, talvez...

Quando penso em você

Fagner

Quando penso em você fecho os olhos de saudade.
Tenho tido muita coisa, menos a felicidade.
Correm os meus dedos longos em versos tristes que invento
Nem aquilo a que me entrego já me dá contentamento
Pode ser até manhã sendo claro feito dia, mas nada do que me dizem me faz sentir alegria.
Eu só queria ter do mato um gosto de framboesa, pra correr entre os canteiros e esconder minha tristeza.
Eu ainda sou bem moço pra tanta tristeza e deixemos de coisa cuidemos da vida, pois se não chega à morte ou coisa parecida, e nos arrasta moço sem ter visto a vida.
Eu só queria ter do mato um gosto de framboesa, pra correr entre os canteiros e esconder minha tristeza,
Eu ainda sou bem moço pra tanta tristeza, deixemos coisa cuidemos da vida, pois se não chega à morte ou coisa parecida e nos arrasta moço sem ter visto a.
Vida

Nenhum comentário: