Encadernação Artística

terça-feira, 30 de dezembro de 2008

feliz 2009


Dê-me do mais puro fel, mas não tire de mim minha liberdade minha liberdade. Lança-me no esquecimento, no abismo mais alto do planeta, mas não tire de mim a minha liberdade. Toca em minha face com violência e desprezo, mas não toque em minha liberdade. Tira de mim todas as minhas posses, terras, jóias e posições sociais, mas não tire de mim minha liberdade. Deixe-me para que eu continue abrindo minhas asas, alçando vôos rumo ao horizonte e como pássaro encantado aprendendo a fazer história e ensinando a todos a serem livres como pássaros. Pois se tentares me prender com padrões sociais, com grilhões, ou lançar-me ao cárcere, eu prefiro que mates o meu corpo, porque só assim eu conseguirei devolver a alma a MINHA LIBERDADE (Hélio Marcos)

Feliz 2009

domingo, 21 de dezembro de 2008

segunda-feira, 1 de dezembro de 2008

sexta-feira, 28 de novembro de 2008

SOS Santa Catarina -


Pelo menos 65 pessoas já morreram por causa das chuvas em Santa Catarina, de acordo com Defesa Civil. Cerca de 60 municípios foram prejudicados, dos quais oito estão isolados pelas águas. São eles: São Bonifácio, Luiz Alves, São João Batista, Rio dos Cedros, Garuva, Pomerode, Itapoa e Benedito Novo. Há 1,5 milhão de pessoas afetadas, sendo 52 mil desabrigadas ou desalojadas.  A cidade de Ilhota é que tem mais mortes confirmadas. São 15, até o momento. De um avião que sobrevoou a área, funcionários do governo do estado tiraram fotos em que mal se identifica o que é rio e o que é cidade.  De acordo com um levantamento feito pela Defesa Civil na manhã desta terça, as outras localidades que registraram mortes foram Brusque (1), Gaspar (10), Blumenau (13), Jaraguá do Sul (12), Pomerode (1), Bom Jardim da Serra (1), Luiz Alves (4), Rancho Queimados (2), Benedito Novo (2) e Rodeio (4).  Quatro municípios - Gaspar, Rio dos Cedros, Nova Trento e Camboriú - decretaram estado de calamidade pública. Outros oito estão em situação de emergência. São eles: Balneário de Piçarras, Canelinha, Indaial, Nova Trento, Penha, Paulo Lopes, Presidente Getúlio e Rancho Queimado.  Além das diversas casas atingidas por deslizamentos de terra e da cheia de rios, muitas estradas do estado estão interditadas por queda de barreiras e alagamentos. Cerca de 500 homens do Exército ajudam a prestar socorro às vítimas das enchentes em Blumenau, cidade mais afetada pelas chuvas. 
A prioridade é salvar vidas e levar algum conforto para os sobreviventes. Fico pensando nos arquivos, nas bibliotecas e nos museus. Lá se foi considerável parte dos acervos, documentos, fotografias e história tragados pela lama. O que restará?  Será possível recuperar algum livro? 

quinta-feira, 20 de novembro de 2008

Cursos e Oficinas



1.Álbum de Fotografia
- Costura Japonesa - Esta técnica possibilita a criação de um álbum para fotografia, artesanal e diferente.

Data: 28 de novembro 2008 
Horário: 14 h às 18 h 
Preço: R$ 120,00
Todo material incluso - 25 folhas de papel reciclato  120g, papelão, cola e acabamentos.

2. Estrutura Cruzada
- Desenvolvido por Carmencho Aguirre  esta técnica não emprega cola exceto na forração das capas. Flexível, resistente e estética. Ideal para construção do  livro de artista.
Data: 02 e 03 de dezembro
Horário: 14h às 18h
Preço: R$ 120,00

3. Pequenos reparos e encadernação de livros de bibliotecas.
- Introdução a historia do livro.
- Termos técnicos empregados na encadernação.
- Anatomia do livro.
- Higienização, desmontagem, pequenos reparos.
- Costura
- Montagem e acabamento do livro.
Data: 04, 05 e 06 de dezembro
Horário: 14h às 18h. No sábado o horário será pela manhã.
Preço: R$ 250,00

Número de vagas 05 por oficina.
Contato: email infolio@hotmail.com   Tel. 48 99132882
Local das Oficinas :  Rua Artista Bitencourt 190 centro Florianópolis SC


sábado, 8 de novembro de 2008

Novo número


Esta disponível na web mais um número " The Bonefolder" trata-se de uma revista conceituada com acesso aberto para toda a comunidade de encadernadores e artistas do livro. 

quinta-feira, 23 de outubro de 2008

Estrutura cruzada


A encadernação de livros restaurados exigem muito cuidado e habilidade do encadernador. Escolher o material a ser empregado - linha, cera clarificada, tecido 100% algodão, folha de rosto em papel neutro e principalmente não utilizar cola. O emprego da cola é tabu. O cuidado é dobrado no manuseio, durante a costura - um livro restaurado é muito frágil. 
Pratiquei desde o início do ano o modelo de costura da estrutura cruzada, empregado até o século XVI. O  livro é costurado em cintas alternadas e posteriormente entrelaçadas, este modelo foi redescoberto por Carmencho Arregui quando trabalhou  na restauração dos livros que sobreviveram a enchente do Arno em 1966. Em seu sitio   Carmencho Arregui explana com muita clareza e generosidade os modelos.  
Quando pratiquei os modelos percebi o quanto são flexíveis,  sem cola na lombada, as  folhas de rosto costuradas, as capas presas, dorso solto ligeiramente vinculado ao fole, são pequenos detalhes que passam desapercebidos. No entanto são elementos decisivos para conservação do livro.
A não utilização de cola é o principal no meu trabalho de encadernação de livros restaurados, porém encontro muita dificuldade quando as folhas são separadas e montadas em carcelas. É terrível pois não há como compensar a diferença entre papel da carcela e  a página do documento. Caos - não posso utilizar as estruturas cruzadas. 

domingo, 19 de outubro de 2008

II placa


 A Enciclopédia de Diderot e D'Alambert - ilustra com seis placas, todas as ferramentas utilizada pelo encadernador no século XVIII.  São tantas que não consigo imaginar o emprego de cada uma. Tenho especial curiosidade pelo formato das agulhas, principalmente feitas com  osso ou dente de morsa. 
 Diderot e D'Alambert reuniram os conhecimentos dispersos nas mais diversas áreas, editando a Encyclopédie que foi chamada "O livro dos livros" tamanha sua importância na difusão do conhecimento. Além das seis placas de ferramentas para encadernação,  outra que prefiro é a placa que descreve as ferramentas utilizadas na marmorização de papel.
Continue lendo em Enciclopédia Diderot

sexta-feira, 17 de outubro de 2008

Costura japonesa sem delongas

Na procura por informação sobre encadernação  com costura japonesa encontrei este sitio http://www. amphian.com  que recomendo para quem tem interesse em aprender a fazer belos álbuns ou cadernos com costura japonesa. Foi a  maneira que encontrei, aqui no Desterro.  É bem mais fácil seguir os diagramas e aprender por si mesmo. É mais simples e lógico. Dispensa a retórica acadêmica do tipo
 -   '' entrelaçamento entre a poética e a técnica, possibilidades do contemporâneo, instrumental básico, espaço primário para proposições poéticas, desconstrução da leitura programática do objeto tangível, território de possibilidades expressivas e formais, livros e suportes tradicionais..." Ufa! Cansei de enumerar as pataquadas da academia... Esta verborragia amplamente empregada faz parte do bolo a cereja é o link . Então mãos a obra! 

quinta-feira, 16 de outubro de 2008

Centenário de Franklin Cascaes


Hoje 16 de outubro, se fosse  vivo Franklin Cascaes completaria 100 anos. Cascaes retratou o imaginário popular das comunidades da ilha de  Santa Catarina. De maneira apaixonada e sensível transcreveu as lendas, desenhou os mitos. 
Seus cadernos de anotação são verdadeiros livro do artista anotava desde receitas culinárias, rezas, brincadeiras de roda,  o saber fazer do homem simples seus  medos e seu conhecimento. 
Na próxima quarta-feira 22/10 o museu Victor Meirelles promoverá a abertura da exposição Lado B de Franklin Cascaes - (1908 - 1983) com a curadoria de Fernando Lindot.

Sonho de consumo

Livros do Arquivo Diocesano Franciscano de Tianguá. Registros de Batismo e Casamento  desde 1750. Imagens cedidas por Célio Santiago

quarta-feira, 15 de outubro de 2008

gracia plena

Sinto a cada dia   a proximidade  do começo, que é o início do fim. Sei o que me espera...Colho o que planto........ Tenho um sonho secreto que é ir viver em Tianguá, passar os meus dias lendo  os livros do Arquivo Diocesano Franciscano... Talvez consiga chegar em tempo ...Caminhar até Tianguá partindo de Florianópolis não é um caminho tão longo é perto e relativamente curto. De Santa Catarina até o noroeste do Ceará não é nada para quem sabe voar.                                                   

sábado, 4 de outubro de 2008

Quatro de outubro

Senhor....

Fazei-me instrumento de vossa paz.
Onde houver ódio, que eu leve o amor;
Onde houver ofensa, que eu leve o perdão;
Onde houver discórdia, que eu leve a união;
Onde houver duvida, que leve a fé;
Onde houver erro, que eu leve a verdade;
Onde houver desespero, que eu leve a esperança;
Onde houver tristeza, que eu leve a alegria;
Onde houver trevas, que eu leve a luz.

Ó Mestre !

Fazei que procure mais consolar, que ser consolado;
compreender que ser compreendido;
amar, que ser amado.

Pois é dando que se recebe, 
é perdoando que se é perdoado,
e é morrendo que vive para a vida eterna.

 

sexta-feira, 26 de setembro de 2008

Curso na Biblioteca Nacional

Curso na Biblioteca Nacional - Rio de Janeiro
XII Curso Informativo - Preservação de Acervos Bibliográficos e Documentais 2008
Informações - preserve@bn.br   http://www.bn.br/preservacao
                           (21) 222o-1973 (21)

domingo, 14 de setembro de 2008

Biblioteca Digital Brasileira


Encontra-se disponível na web parte do acervo da Biblioteca Nacional. A digitalização do acervo nos aproxima deste valioso tesouro. Qualquer mortal  poderá visitá-lo, ler, imprimir textos e imagens. A Biblioteca Nacional do Brasil, se torna mais visível e portanto mais significativa para milhões de brasileiros. O livre acesso a informação, valoriza o conjunto do acervo e acende uma centelha -  mais recursos públicos e privados para sua manutenção, mais segurança contra os riscos imimentes que a cercam.

domingo, 7 de setembro de 2008

Encadernação de Jornais



Encadernar Jornais não é tarefa fácil, principalmente quando se faz um trabalho consciente. Não basta ter celeridade, é necessário escolher os materiais, preparar a cola, encerar a linha, ordenar os fascículos,  evitar cair nas armadilhas: é comum encontrar páginas de ponta à cabeça, conjuntos inteiros em desordem.


Cozer, corta as capas pela fibra do papelão,  o papel das guardas - alcalino - na gramatura 120 -  escolher o brim para as   lombadas.  A seguir começo a pensar no papel marmorizado que será a capa. Marmorizar papel é outra milonga...quanto maior o número de capas pior o serviço... Um horror....Mais tempo demanda...
Confesso, que demorei uma semana testando várias possibilidades:  papel com gelatina, papel com engrudo, tinta óleo, quando pensei estar diante  do fim, sem metaforas,  fiat lux !! 
A tão sonhada solução... em 2 horas "marmorizei" 300  folhas.
Na verdade trata-se de uma xilogravura, a entalhei em uma placa de MDF, a escolha da tinta foi completamente aleatória um sanguíneo levemente colérico, em alguns momentos.



quinta-feira, 4 de setembro de 2008

Wei T'o


 Wei T'o

O mais antigo Deus protetor dos livros
 Wei T'o é reverenciado na milenar cultura chinesa 
Na antiguidade  
os protegia da  destruição do fogo
dos insetos
dos vermes.................
dos ladrões 
hoje 
dos doudos das fitas adesivas dos marca textos das máquinas de xerox da poluição 
dos restauradores
dos ladrões
pobre deus quanto trabalho
..............................................................
continue a leitura em ....    http://www.weito.com

quarta-feira, 6 de agosto de 2008

Mesa de trabalho

 


Um certo caos, é assim a minha mesa de trabalho, um lugar surpreendente onde sempre encontro o que não procuro, uma pequena divagação, um papel amassado, um protótipo.

.Esta é a segunda mesa, bem organizada, racional, não encontro nada é limpa sento e costuro por horas até as costas resistirem e os dedos começarem a doer.

terça-feira, 22 de julho de 2008

Meu caro Rocinante

Caríssimo,

A cada dia que passa me deparo com um número crescente de doutos, doudos, toda sorte de gente.
Vaidosos de todos os naipes, desconhecem os mitos mais simples, não se reconhecem na maçã de Atalanta são vitimas do mais banal ardil. A exemplo a proliferação de "obras raras" anunciadas na web, compram tudo o vêem. Desconhecem o que é um livro - instrumento que consideram sua ferramenta de trabalho - o ano da edição - tradutor - ilustrador - tiragem ... É o mínimo que um mortal precisa saber antes de comprar uma "raridade" feita para imortais . De posse destes dados fica fácil saber se o livro foi encadernado, que tipo de encadernação - à francesa, brochura ou meia encadernação enfim. Conheci, graças a um bardo, esse tipo de falsa encadernação. O método utilizado pelo embusteiro é absurdo, explico passo a passo.
1. O Embusteiro se apropria de um livro encadernado à Bradel.
2. Arranca-lhe as entranhas.
3. Cola no interior de sua capa uma brochura, o requinte de crueldade é tanto que além de guilhotinar ele passa uma tintura para ficar mais "autêntico", conserva os florões, mantém as guardas marmorizadas.
4. Arte - datilografa o título da brochura em um papel amassado e cola no lugar do título.
5. Atira para bem longe o miolo original - quase sempre um almanaque ou um pequeno dicionário de latim.
O que posso dizer aos doutores, nada - pois não sou aquele insensato que os desafiou no templo, só resta me dirigir a sua pessoa.
Meu caro amigo........................

quinta-feira, 17 de julho de 2008

O livro do artista

- O que é?
   Conceito
- Como fazer?
  Modelos
  Suporte - Texto / Imagem
- O que fazer?
   Estrutura/livro
- Onde fazer?
  Infolio Arte do Livro r. Artista Bittencourt 190
- Tempo ?
   ??????????????????????????????????????????
- Custo = Benefício
Número máximo 01 
Quem?
Alunos dos cursos de design, arquitetura, artes visuais e moda.

   
   


domingo, 13 de julho de 2008

Fata Morgana


miragem vapor éter olhar de basilisco
.......................................................................
ficou na lembrança a tarde de sábado - deste inverno quente
o teu cheiro o sabor das ostras e tua voz gutural
teus tentáculos
passou - o que foi azul ficou sépia estampado em um pedaço de papel perdido em alguma gaveta
surpresa e perplexidade tudo aconteceu em um átimo foi tão esperado quanto inesperado
simultaneamente
o melhor é não esperar não prolongar 
fechar os ouvidos 
não me deixar levar pelo teu canto  
vá encantar outro marujo embriagado
miragem 
 figura 
assombração das manhãs de sábado
 

Elegia XIX - Jhon Donne -Index dos Livros Proibidos

Elegia XIX: Indo para a Cama

Vem, oh senhora, vem, que ócios não me permito;
Fico agitado toda vez que não me agito.
Quando o inimigo ao inimigo espreita e escuta,
Mais se cansa da espera que da própria luta.
Tira este cinto, cintilante anel celeste,
Que em torno a um mundo mais formoso dispuseste.
Desprende logo o peitoral onde lusis,
Que barra os olhos dos xeretas imbecis.
Despe-te, pois o carrilhão sonoro chama,
Dizendo a mim que a hora chegou de ir para a cama.
Abre o teu espartilho, que eu invejo em tudo:
Contudo, ele te abraça; e se mantém, contudo.
Tua saia, ao cair, revela tal primor,
Que é igual à sombra a se afastar do campo em flor.
Fora a coroa entrelaçada de metal;
Solta os cabelos, diadema natural.
Tira os sapatos, e, sem medo, ora te avia
Ao sacrário do amor, à cama tão macia.
Com essas vestes cândidas, do céu amigo
Os anjos vinham. Anjo meu, trazes contigo
Um paraíso igual ao de Maomé; e embora
Haja espíritos maus também de branco, agora
Sabe-se bem qual anjo é mau, e o bom qual é:
Um deixa em pé os cabelos, o outro a carne em pé.

Concede uma licença à minha mão errante,
Para ir ao meio, encima, embaixo, atrás, adiante.
Oh, minha América! Oh, meu novo continente,
Meu reino, a salvo porque um homem tens à frente.
Tenho aqui minhas minas, meu império aqui;
Que abençoado sou por descobrir a ti!
Este acordo liberta a quem ele segura;
Onde coloco a mão, eu deixo a assinatura.

Nudez completa, da alegria o cerne e a polpa!
Como a alma sai do corpo, o corpo sai da roupa
Para o prazer total. A jóia da mulher
E maçã de Atalanta, que sua dona quer
Lançar aos tolos, a que, vendo a gema bela,
Pensem sequiosos no que é dela, e não mais nela.
Como pintura, ou capa de volume, feita
Visando aos leigos, a mulher também se enfeita;
Mas é obra mística, e seu tema se explicita
Somente àqueles a que a graça nobilita,
Como nós. Sendo assim, que eu te conheça inteira;
Sem pejo vem, e, como diante da parteira,
Mostra-te a mim. Atira longe a vestimenta:
Para a inocência punição não se apresenta.

Que esperas? Estou nu. . . e as horas se consomem.
Mais cobertura tu desejas do que um homem?

terça-feira, 8 de julho de 2008

Index dos Livros Proibidos

Manual do caçador 
Propaganda de geladeira 
Como fazer enxertia
Como fazer uma casa simples e sólida
Romance Policial
Poesia 
Bíblia 
Solidariedade 
Como cultivar flores 
Faça seu próprio vinho
Soldadinho de Chumbo
Memória da Infância 

segunda-feira, 7 de julho de 2008

Obrigada Mr. Schörer


Mr. Schörer estava com 82 anos, quando o conheci em minhas andanças pelo interior de Santa Catarina, na década de 80. Me lembro de sua disposição, se exercitava todos os dias, se banhava nas águas frias de um ribeirão, não importando a estação do ano. Reservado, emotivo, narrava lindas histórias, lia os contos de Andersen - a vendedora de fósforos, a pequena sereia, adorava ouvir suas história. O tempo passou e Mr. Schörer partiu para o céu dos passarinhos. Finalmente poderei retribuir o seu carinho e sua hospitalidade restaurando os seus livros, que integram o acervo da casa do imigrante em Dona Emma que é um lugar mágico, preservado. O mais belo rincão de Santa Catarina. Visitar Dona Emma e viver um idílio. O sabor de suas pêras, o gosto rascante de seu vinho, a alegria e afabilidade de seus habitantes fazem de Dona Emma um lugar muito especial. Quando toquei nos volumes impressos em alemão em escrita gótica, imediatamente os reconheci, senti o cheiro das prateleiras de sassafrás, ouvi o som das cachoeiras, o sabor das uvas, o perfume das nozes de macadamia, o canto distante de um passarinho.................................................................................................................................................

Prece

PRECE

Senhor, que és o céu e a terra, que és a vida e a morte! O sol és tu e a lua és tu e o vento és tu! Tu és os nossos corpos e as nossas almas e o nosso amor és tu também. Onde nada está tu habitas e onde tudo está - (o teu templo) - eis o teu corpo.

Dá-me alma para te servir e alma para te amar. Dá-me vista para te ver sempre no céu e na terra, ouvidos para te ouvir no vento e no mar, e mãos para trabalhar em teu nome.

Torna-me puro como a água e alto como o céu. Que não haja lama nas estradas dos meus pensamentos nem folhas mortas nas lagoas dos meus propósitos. Faze com que eu saiba amar os outros como irmãos e servir-te como a um pai.

[...]

Minha vida seja digna da tua presença. Meu corpo seja digno da terra, tua cama. Minha alma possa aparecer diante de ti como um filho que volta ao lar.

Torna-me grande como o Sol, para que eu te possa adorar em mim; e torna-me puro como a lua, para que eu te possa rezar em mim; e torna-me claro como o dia para que eu te possa ver sempre em mim e rezar-te e adorar-te.

Senhor, protege-me e ampara-me. Dá-me que eu me sinta teu. Senhor, livra-me de mim.

Fernando Pessoa em "O Eu Profundo".
1912(?)

domingo, 29 de junho de 2008

oficina de artes gráficas

Proposta:Desenvolver um cartão postal ou um cartaz utilizando
técnicas de impressão manuais como; frotage, textura, carimbo,
stencil/serigrafia, gravura, colagem entre outras.
Apartir da discussão sobre produção gráfica
(fluxograma, processos de impressão
e finalização) desde o princípio até como acontece atualmente.

Oficina de Moleskine


Aprenda a fazer o seu próprio caderno de notas inspirado no modelo do legendário Moleskine.
Além de charmoso este caderno de notas terá sua marca pessoal, pois será construido por você. A final onde escrever, desenhar, grafitar suas idéias, seus sonhos, livre das linhas?
Ou fazer um presente especial para alguém tão especial quanto você ...

Quando - 01 a 03 de julho
Horário - 8hs - 12hs 14hs - 18hs
Onde - Rua Artista Bittencourt 190 - A Florianópolis SC
Custo - R$ 90,00 turmas de 05 alunos

Oficina de portfólio


Oficina de Portfólio

Local - Rua Artista Bittencourt 190 - A
Data - 21 a 25 de julho

2 turmas - matutino das 8 hs às 12 hs
vespertino das 14 hs às 18 hs
número de alunos por turma 05
Material incluso com para confecção de 02 portfólios tamanho a4 por aluno.
Custo - R$ 90,00

Público - alunos dos cursos de design, arquitetura e artes.

segunda-feira, 23 de junho de 2008

Educar é Sensibilizar

Aconteceu na FAED no período de 17 a 20 de Junho duas oficinas de encadernação e higienização, dos livros que pertencem ao Museu da Escola Catarinense. Durante esse encontro a ênfase foi: A Conservação Preventiva, higienização e acondicionamento. Com o mínimo de interferência, apenas limpeza com trincha, remoção de fitas adesivas, bom senso e baixo custo. Eis é fórmula para manter os acervos de uso corrente das bibliotecas em bom estado de conservação.
Também nos dedicamos aos cadernos, foram costurados mais de uma vintena, tivemos a oportunidade de utilizar uma prensa centenária.
Agradeço a professora Gisela, a turma da sétima fase do curso de graduação em biblioteconomia, a direção do Museu e seus funcionários.

sábado, 21 de junho de 2008

Localização da Oficina



Exibir mapa ampliado

Como encadernar um livro

              Como encadernar um livro segundo Padre Antonio Vieira: Toma o encadernador as folhas impressas  na tipografia, lisas, frias, sem vida e entrando na sua oficina dispõe-se a fazer com elas um livro. Dobra-as primeiro e vai executando as várias operações, até as mais simples. Cose-lhe os cadernos, cola-lhe o lombo, apara-lhe as margens, doura-lhe o corte, vinca-lhe o encaixe, empasta-o com cartões fortes, acerta-lhes as seixas. Forra-o de fina pele, avulta-lhe os nervos, cobre-lhe de ouro as pastas e grava-lhe belos ornatos; aqui acerta, ali alisa, acolá, afina e fica um livro perfeito e talvez um missal que se pode por no altar.

Padre Antonio Vieira 1608/1697.

sexta-feira, 20 de junho de 2008

Novo endereço

O novo endereço: Infólio ateliê  de encadernação e marmorização de papel, rua Artista Bitencourt n.ø 190 no centro de Florianópolis, subindo a escada do Teatro da Ubro a direita.
Aberto ao público - segunda e terça feira  dás 14:00 horas às 20:30 horas.
Oficinas  -   quarta, quinta e sexta feira dás 14:00 horas às 18:00 horas, sábado é fechado.
Oficinas oferecidas
1. Encadernação e pequenos reparos de livros de uso corrente nas bibliotecas.
2. Encadernação de cadernos, bloquinhos e moleskines.
3. Portfólios.
4. Origami modular.
5. Cianotipia.
6. Pinhole.
7. Marmorização de papel.
Serviços
Higienização de acervos bibliograficos.
Encadernação - monografias.
Encadernação de livros restaurados.
Douração.
Impressos em tipografia.
Produtos
Caixas para acondicionamento.
Cola neutra.
Espátula de osso.
Cantoneiras de papel.
Cadernos, muitos cadernos.
Troca de livros.



segunda-feira, 2 de junho de 2008

Quem ama cuida

Como conservar seus livros e sua biblioteca!!! via Alessandro Martins
  1. Grandes quantidades de livros são pesadas. Dê atenção à espessura das prateleiras.
  2. O livro deve ser constantemente manuseado. O virar das páginas oxigena o material, impede a acumulação de microrganismos que atacam o papel e colabora para que as folhas não fiquem ressecadas e quebradiças.
  3. Folheie rapidamente, mas cuidadosamente, o livro sempre que for colocá-lo de volta na prateleira. Isso vai arejá-lo.
  4. Não guarde os livros acondicionados em sacos plásticos, pois isto impede a respiração adequada do papel.
  5. Evite encapar os livros com papel pardo ou similar. Essa aparente proteção contra a poeira causa, na realidade, mais dano do que benefício ao volume em médio e curto prazo. O papel tipo pardo, de natureza ácida, transmite seu teor ácido para os materiais que estiver envolvendo (migração ácida).
  6. Faça uma vistoria anual. Retire todos os livros, limpe-os com um pano seco. Limpe a estante com um pano úmido. Evite passar produtos fortes do tipo lustra-móveis, já que seus resíduos podem infiltrar no papel.
  7. Deixe sempre um espaço entre estantes e parede. A parede pode transmitir umidade aos livros. E, com a umidade, surgem os fungos.
  8. Armários e estantes devem ser arejados. Estantes fechadas devem ser periodicamente abertas.
  9. Estantes de metal são preferíveis do ponto de vista da conservação dos livros.
  10. Não use clipes como marcadores de páginas. O processo de oxidação do metal mancha e estraga o papel.
  11. Em estantes de madeira, pense em revestir as prateleiras com vidro. Não use tintas a base de óleo.
    12.Bibliotecas devem ser frequentadas. Nem pense em porões. Baixa frequência de pessoas aumenta a insidência de insetos. Considere um tratamento anual contra traças.
    13.Não guarde livros inclinados. Aparadores podem mantê-los retos.
    14.Encadernações de papel e tecido não devem ser guardadas em contato direto com as de couro.
    15Na prateleira, os livros devem ficar folgados. Sendo fáceis de serem retirados, duram mais. Comprimidos nas prateleiras, induzem a sua retirada de maneira incorreta, o que danifica as lombadas e fatalmente leva ao dano da encadernação. Livros apertados também favorecem o aparecimento de cupins.
    16.Quando tirar um livro da prateleira, não o puxe pela parte superior da lombada, pois isso danifica a encadernação. O certo é empurrar os volumes dos dois lados e puxar o volume desejado pelo meio da lombada.
    17.A melhor posição para um livro é vertical. Livros maiores devem ter prateleiras que permitam isso. Em último caso deixe-os horizontalmente, tomando-se o cuidado de não sobrepor mais de 3 volumes.
    18.Luz do sol direita nem pensar. O sol desbota e entorta as capas.
    19.Se for um livro antigo ou de algum outro valor ou de maior sensibilidade, lave as mãos antes de folheá-lo, já que mãos engorduradas contribuem para a aceleração da decomposição do papel. Evite umedecer as pontas dos dedos com saliva para virar as páginas do livro.
    20. Ao ler um livro, evite abri-lo totalmente, como por exemplo, em cima de uma mesa. Isto pode comprometer a estrutura de sua encadernação.
    21.Não utilizar fitas adesivas tipo durex e fitas crepes, cola branca (PVA) para evitar a perda de um fragmento de um volume em degradação. Esses materiais possuem alta acidez, provocam manchas irreversíveis onde aplicado.
    Fonte: http://alessandromartins.com

sexta-feira, 9 de maio de 2008

e-jounal


The Bonefolder - an e-journal for the bookbinder and book artist 
Sobre a revista:

"
The Bonefolder", é uma publicação da  Book Arts Web, uma revista conceituada, com acesso aberto  "e-journal" para toda comunidade de  encadernadores e artistas do livro.  Desde de 2004, o Bonefolder tem alcançado audiência   global e contribuído  para a difusão do conhecimento prático e teórico da arte de tratar bem o livro. 


domingo, 27 de abril de 2008

Barca dos Livros

foto Ronaldo Andrade

A barca é o  meio de transporte mais acessível para os moradores da Costa da Lagoa da Conceição, o outro é a pé pela trilha que começa na Ponta das Almas, aproximadamente 2,5 km .  


Para fazer este passeio recomendo duas alternativas. 


1. De barco -  Na Barca dos Livros , que é uma biblioteca móvel, com um belo acervo oferece  aos moradores e visitantes, outra opção de contato com a leitura. Esta barca tem como timoneiro a professora Tânia Piacentini que coordena as atividades de música,  recitais de poesia, leitura de contos e histórias durante a rota. 

Local:  Em frente ao cais, no Trapiche Nº 1, perto da ponte e da Cooperativa dos Barcos da Linha para a Costa da Lagoa.


2. Pela trilha que leva a Costa da Lagoa - início próxima ao cemitério - é possível encontrar  a Ilha profunda, ou com o pouco que ainda resiste a depredação da cultura local.

Recomendo ir na Barca ouvindo as estórias ou lendo,  retornar a pé, tomar um banho na Cachoeira do Encantado vivendo a própria história.


Aviso: Nas noites de lua cheia as mandragoras, o boi tátá,  as almas penadas, assombrações, basiliscos caminham por estas trilhas...  

Cruz Credo!!


Saiba mais sobre A Barca dos Livros 

sábado, 26 de abril de 2008


Oficina de Encadernação

154  Anos da Biblioteca Pública de Santa Catarina

Data:    28 a 30 de maio de 2008
Local:   Biblioteca Pública de Santa Catarina
Horário: das 13h:30min às 18h:30min

Programa 
Anatomia do livro
  1.   Diagnóstico -  estado de conservação do livro.
  2.   Higienização - remoção de fitas adesivas, grampos e colas.
  3.   Desconstruindo o livro - paginação.
  4.   Pequenos reparos - rasgos, reforço, troca das guardas, lombadas, manutenção da capa     original.
  5.   Encadernação do livro - páginas  soltas,  e cadernos.
 Número de vagas

 
 05 vagas no período da tarde

 Investimento 
R$ 200,00 (duzentos reais)
 
Estudantes graduando dos cursos de Biblioteconomia, História, Filosofia, desconto de 50%.
Todo o material esta incluso neste valor.

Informação 
email:  infolio@hotmail.com
 
Apoio 

Fundação Catarinense de Cultura - Oficinas de Artes.
Biblioteca Pública de Santa Catarina

       

 
    

sexta-feira, 25 de abril de 2008

Livros que fazem sonhar


Histórias de Tia Nastacia obra de Monteiro Lobato editado pela Brasiliense em 1952, tipograficamente impresso com ilustrações de André Le Blanc é um charme, finalmente consegui completar minha coleção. Garimpei durante algum tempo em sebos e Eureka!!
 Nesta releitura  pulei o episódio da madrasta e fui direto a João e Maria, o bom diabo, o pinto sura. Porém a minha estória favorita é a Moura Torta.
  Monteiro Lobato desconhecia o "politicamente correto" dos dias de hoje.  Emília no final do conto afirma que sua ave predileta é a pombinha branca e pergunta a tia Nastacia qual é a sua. "A negra teve vergonha de dizer. A ave predileta de tia Nastacia sempre fora uma galinha bem gorda, das boas para fazer um molho pardo."
Li outro dia que estão para publicar  uma edição atualizada da obra de Lobato, adaptada .
 Atualizar ortografia, não chamar tia Nastacia de negra,  como  ficará texto? Imagino algo ilegível no estilo  .... A afrodescentente tia Nastacia teve vergonha de dizer. Sempre fora uma galinha bem light, das boas para fazer um molho pardo pré processado livre de gorduras trans...
Ora, cretinice tem limite. Essa é mais uma das tantas barbaridades que se comete contra a memória do nosso país em nome do "politicamente correto".    


segunda-feira, 7 de abril de 2008

Domingo no SESC


Neste domingo, 06 de abril participei das atividades desenvolvidas pelo SESC da Prainha. Uma típica tarde de outono, ensolarada e fresca. Fui convidada para ministrar uma oficina de marmorização de papel. A técnica empregada foi com cola, e o resultado surpreendente, todas as crianças ficaram maravilhadas diante do resultado obtido por elas mesmas. Uma rápida explicação da técnica e mãos as tintas. Teve um bebe de colo que ao ver sua irmã marmorizando papel chorou e protestou com veemência, para tranquiliza-lo pedi para o seu que o deixasse brincar também. Não conseguia segurar o pincel direito, arregalou os olhinhos, parou de chorar e pintou o seu papel. Esta foi a maior recompensa.
Os bloquinhos com costura japonesa, são um sucesso, quando o papel secou foi o momento de ensinar a costurar o bloquinho encapado com o papel marmorizado, feito na oficina.
Os adultos observavam de longe, as crianças aproveitaram, e a minha criança interior sorriu.

terça-feira, 18 de março de 2008

Oswaldo Rodrigues Cabral

 OSWALDO RODRIGUES CABRAL nasceu no dia 11 de outubro de 1903, na cidade de Laguna, SC. Médico pela Faculdade Nacional de Medicina da Universidade do Brasil (1929), diretor do Hospital Municipal de Joinville (SC), Deputado Estadual (1947/54), presidente da Assembléia (1954), docente livre da Faculdade de Direito de Santa Catarina (1952), professor da Faculdade Catarinense de Filosofia, membro do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro, dos Instituto(s) Histórico(s) de Santa Catarina, Rio Grande do Sul, Minas Gerais, Pernambuco, Bahia, Paraná, da Associação Peruana de Folclore, da(s) Academia(s) de Letras de Santa Catarina, Piauí e Paraná, da Comissão Catarinense de Folclore e de outras entidades culturais nacionais e estrangeiras, recebeu diversos títulos honoríficos, Oswaldo Rodrigues Cabral publicou inúmeros títulos, é autor de :
- A medicina teológica e as benzeduras . 
- Vocabulário do consultório médico.
- A medicina caseira(1952). 
- A respeito dos corações e dos a pão-por-Deus.
- Os santos nas lendas marítimas catarinenses.
 - Os açorianos.
 - Antigos folguedos infantis de Santa Catarina.
 - Contribuição ao estudo dos folguedos populares de Santa Catarina.
- História de Santa Catarina
- Medicina, médicos e charlatões do passado
- Raízes seculares de Santa Catarina
- Brusque
- Os juízes de fora
- Jesuítas em Santa Catarina
- João Maria - História da Campanha do ex- Contestado
- A música em Santa Catarina no século XIX
- Nossa Senhora do Desterro 1 Notícias
- Nossa Senhora do Desterro 2 Memória

domingo, 16 de março de 2008

A farra do boi é crime

A farra do boi é crime. Tradição ibérica mantida pelos descendentes de portugueses e açorianos no litoral de Santa Catarina, a farra do boi sempre foi um caso de polícia.  Cenas de maus tratos, e toda sorte de abusos contra os animais, são divulgadas pela imprensa.  
Em seu livro - Nossa Senhora do Desterro Memórias - Oswaldo Rodrigues Cabral relata: "além do carnaval, com os seus distritos, o povo se divertia ainda com o Boi na Vara. Uma sobrevivência das touradas à corda, ou do boi solto, que se fazem nos Açores. Lá uma prova de agilidade e uma prova de coragem; aqui, deturpados, um misto  de perversidade e corvardia. ..."

A tradição de espancar e maltratar o boi continua, com a imprensa fazendo o seu papel de denunciar e o povo de resistir. Todos os anos, com a repercussão e todo o alarde que se faz, a farra do boi cresce e ganha uma nova roupagem; a farra do boi ganha status , deixa de ser um caso de polícia e passa a ser um caso de resistência cultural. Continua  violenta: apaixonados,  oportunistas de todos os quilates fazem a farra da imprensa, defendendo ou condenando todos ganham visibilidade - o boi, os farristas, os políticos e os defensores dos animais. 

A educação é a única porta, para suplantar a violência e mudar uma comunidade. Não adianta cartaz, roqueiros, ativistas de plantão. Educar para paz e tolerância é o caminho.

Vide CABRAL, Oswaldo Rodrigues
Nossa Senhora do Desterro - 
Memória 2 página 203 - O povo se distrai, mas nem sempre se diverte.


domingo, 2 de março de 2008

Uma encadernação nada vistosa


Um livro encadernado com pele humana, datado do início do século XVII, foi vendido por 5.600  libras em um leilão na Inglaterra no ano passado. A pele que encaderna o livro pertence ao padre jesuíta Henry Garnet, que foi enforcado em 1606 pela sua alegada participação na "conspiração da pólvora".
A conspiração foi um plano elaborado pelo católico Guy Fawkes que tentou explodir o parlamento inglês e destruir o rei protestante, James I .
O volume se torna ainda mais sinistro quando se lê o título - "Um verdadeiro e Perfeito Relatório Contra o Falecido Bárbaro Traidor, Garnet, um Jesuíta e os seus Conferedados". Na capa, parece visível o rosto de um homem, afirma-se que é a pele do rosto do próprio Garnet.
O livro foi impresso e encadernado por Robert Barker, impressor real, meses após a execussão do padre .  O seu expectro continua por séculos e sua última aparição esta no próprio volume, a imagem aterradora que aparece na capa revela os pelos da barba, e seus grandes olhos, segundo   Sid Wilkinson, porta voz da casa de leilão, onde se realizou a venda - a imagem que aparece na capa não foi produzida, trata-se de um enrugamento natural devido o tempo.
Embora tenha sempre alegado sua inocência, Garnet conhecia alguns dos conspiradores, e sabia do seu plano através de um outro padre que o relatou durante uma confissão. Sua determinação em manter o segredo lhe custou a vida.
A encadernação com pele humana foi bastante comum até o século XIX, também conhecida anthropodermic bibliopegy. Estes modelos históricos se encontram nos setores destinados as  obras raras das bibliotecas européias e americanas. A maioria destes livros são referentes a medicina. Dr. John Hunter (1728 - 1793), famoso anatomista, considerado o pai da cirurgia moderna inglesa, encomendou um livro sobre dermatologia encadernado com pele humana.
 A pele utilizada frequentemente era retirada de um prisioneiro, particulamente de um assassino, de um indigente, ou de qualquer um que a família não reclamasse o corpo. Os assassinos condenados a morte tinham sua pele curtida e  utilizada na encadernação dos autos do processo.
Felizmente nossa sensibilidade é muito diferente hoje, nos permite olhar e sentir repulsa diante de uma encadernação nada vistosa.