terça-feira, 20 de março de 2012

Caderno Cinético







O Caderno Cinético ou caderno-objeto é um suporte do processo criativo. O desafio é encadernar de forma harmônica, materiais diversos e distintos entre si, tanto quanto sua natureza ou seus estados. Mutável e acolhedor, é um espaço para desenvolver sua criatividade. 



Material – Além do material tradicional empregado na encadernação estaremos oferecendo outros suportes: disco de vinil, tecidos, papel de parede, caixa de ovo, fitas k7, madeira, botões e etc.
Técnica – Costura estilo copta, borboleta, piano, estrutura cruzada, costura japonesa .



Público Alvo – Alunos do curso de Moda, Design e outros interessados.



Número de Vagas - 10 (dez vagas).



Carga horária – 20 horas


Local – Museu da Escola Catarinense rua Saldanha Marinho 

        n. 169  Centro - Florianópolis SC


Horário – dás 08:00h às 12:00h



Data - 28,29 e 30 de março.


A Oficina é gratuita, o material utilizado é de responsabilidade do aluno, sendo que a compra será coletiva, o valor previsto é de R$ 30,00 por aluno. Este valor deverá ser aportado no ato da inscrição.


Inscrição – por email : cursosmesc@hotmail.com


Certificado - será emitida pelo Museu da Escola/UDESC



Coordenação: Prof. Marlene Torrinelli

Ministrante: Kézia Lenderly 


Contato: cursosmesc@hotmail.com 

         infolio@hotmail.com 

quarta-feira, 7 de março de 2012

O Evangelho de Barnabé


Bíblia com 1500 anos é descoberta na Turquia e Vaticano demonstra preocupação com o conteúdo do livro.


Texto de Márcia Rodrigues.
Saiba mais em: http://tesourobibliografico.com

 

 

Uma bíblia de 1500 anos foi descoberta na Turquia, após a prisão de uma quadrilha que comercializava antiguidades de forma ilegal. O livro, feito em couro tratado e escrito em um dialeto do aramaico, língua falada por Jesus, tem as páginas negras, por causa da ação do tempo.
Segundo informações do site Notícias Cristãs, peritos avaliaram o livro e garantiram que o artefato é original. A descoberta do livro se deu em 2000, e desde então, vinha sendo mantido em segredo, guardado em um cofre-forte na cidade de Ancara.
Estima-se que o valor do livro chegue a 20 milhões de euros, dada sua importância histórica. Após a divulgação da descoberta, o livro foi considerado patrimônio cultural e após a restauração que será feita, o livro será exposto no Museu Etnográfico de Ancara.
Há informações de que o Vaticano demonstrou preocupação com a descoberta do livro, e pediu às autoridades turcas que permitissem que especialistas da Igreja Católica pudessem avaliar o livro e seu conteúdo, que se suspeita, contenha o “Evangelho de Barnabé”, escrito no século XIV e considerado controverso, por descrever Jesus de maneira semelhante à pregada pela religião islâmica.

segunda-feira, 5 de março de 2012

Cianotipia fórmula básica


A cianotipia difere das fotografias fixadas em prata, fotos  em PB, pois utiliza na sua fórmula sais de ferro.
Os sais de ferro são sensíveis a luz UV, essa descoberta devemos a Sir John Herschel que em 1842 desenvolveu a fórmula básica da cianotipia.

Sir Herschel
No ano de 1843 Anna Atkins coloca em prática descoberta de Herschel e publica o primeiro livro ilustrado com fotogramas   Photographs of British Algae: CyanotypeImpressions. Uma maravilha que se conserva até hoje. Anna não passava suas horas bordando, ou freqüentando os pubs. Anna foi botânica e se dedicou ao estudo e catalogação das Algas da costa britânica, no seu tempo livre praticava a fotografia.
Anna
A fórmula básica desenvolvida por Herschel continua atual. Há uma gama de variações publicadas, tentei várias,  porém como sou resistente à moda, fiquei com a fórmula clássica em vigor desde 1842, embora tenha me arriscado testando  principalmente a fórmula desenvolvida por Mike Ware . Resolvi abusar e aquarelei alguns fotogramas, em fim  o  mais complicado foi conseguir todos os químicos.
Fórmula de Herschel
1.    25 gramas de citrato de amónio férrico verde.
2.    10 gramas de ferricianeto de potássio
3.    Água destilada ou deionizada

Atenção - o vermelho é mais barato,  porém não proporciona o mesmo resultado.



Cianótipo aquarelado

Como fazer:
1.    Dilua a 25g de citrato de amônio férrico em 100ml de água 
       - guarde em um frasco   escuro.

2.    Dilua 10 de ferriciaceto de potássio em 100 ml de água 
       -guarde em um frasco escuro.

3.    Misture as duas substâncias em partes iguais.
       use essa mistura no suporte, que pode ser papel ou tecido.

4.    Quando for aplicar no papel empregue moderadamente sem  encharca-lo.

5.    Deixe o papel secar no escuro.

6.  Após seco coloque o papel e o seu fotograma entre duas placas de vidro,    exponha ao sol, o tempo de exposição varia de acordo com a intensidade da luz.

7.    Quando o papel mudar de cor, ficará cinza, retire do sol, levante o negativo 
     lave em água corrente até sair todo o verde amarelado que é o resíduo do cianeto.

8.    Pendure o papel no varal na sombra e feito esta.

Atenção – mesmo que os químicos empregados apresentem baixa toxidade se previna,
                  use luvas e avental.

Material

1               25 gramas de citrato de amónio férrico (verde)
2               10 gramas de ferricianeto de potássio
  1. Água  destilada ou deionizada
  2. Colheres de plástico para medir
  3.  Jarro com medição
  4. 3 frascos de vidro para misturar
  5. Colheres de plástico
  6. Luvas de borracha
  7. Avental ou camiseta velha
  8. Jornal para cobrir superfície de trabalho
  9. Pano de limpeza
  10. Pinceis – que serão descartados
  11. Prendedor de roupa no varal – de plástico
  12. Varal
  13. Papel canson linha estudante 200g
  14. 2 placas de vidro para  impressão do contato
  15. Luz do sol
Saiba mais em:

http://wikipedia/commons/e/e2/Anna_Atkinse

domingo, 4 de março de 2012

O Passado é amanhã


O Passado é amanhã.
                    
Garopaba circa 1950
Quando o homem do paleolítico sentou-se à beira do rochedo e gravou o registro da sua passagem na rocha, nos conta  como contruía suas ferramentas – machados de pedra, pedras finamente polidas capazes de cortar, desenhado  e gravando com seus novos recursos  – pedra polida, gordura animal, sangue e cinza. Este homem certamente não escrevia para o futuro porém ele descreve o passado.

Visitei as oficinas líticas em Garopa e sua Igreja Matriz, registrei o tempo futuro do passado que virá. Não registrei um modo do tempo verbal, o registro que fiz revela  o descaso dos orgãos reponsáveis pela preservação do patrimônio cultural (IPHAN/FCC/Prefeitura Municipal).
oficina lítica
No sítio arqueológico não há sequer  uma placa indicando do que se trata, qual a lei que o proteje, quais os cuidados que um cidadão tem que observar, quando caminha neste espaço.
As pessoas que circulam neste local, turistas em sua maioria, não tem a menor noção do que se trata. Todos batem a areia de suas sandálias, contemplam a paisagem e, o ignoram,  por falta mínima de informação. O Estado sabe da existencia deste e de tantos outros sítios arqueológicos no nosso litoral, por tanto não custa nada colocar uma placa, inserir uma  imagem na folheteria.  Uma simples ação educativa, seria bem vinda.
Igreja de S. Joaquim - Garopaba
A  Igreja de São Joaquim, localizada no alto morro, construida em 1846 sobre uma rocha que servia de base para uma das muitas  armações  de caça às baleias  é  a   vista mais bonita da baia de Garopaba. Feio foi vê-la fechada prestes a ruir.  A torre lateral parece um grande Golem, torta, se inclinando sobre a igreja.
O Golem  vai despencar  na próxima e chuva e  soterrará tudo a sua volta;  os santos em madeira policromada, tombará a Igreja literalmente, apagará as inscrições rupestres e a beleza de suas oficinas líticas.
Quem é o resposável pelo patrimônio público e sua conservação?
 Pergunta boba, é lógico que são os OVINS.