sexta-feira, 29 de maio de 2009

Tatamirô

Na minha terra, tomei muitos  banhos de cheiro. Hoje me lembrei dos perfumes inebriantes do quintal da minha casa. Do cheiro forte do patcholi, da mangerona, das mangueiras em flor, da catinga de mulata, do alecrim do norte, do pau rosa, do latex,  do cedro, do forte odor do coentro. Estas lembranças me foram atiçadas quando ouvi as histórias contadas por Janaina.  Janaina me falou de sua avó, das histórias do morro do 25, do quintal de sua família, de sua tia benzedeira, sobre os Orixas. Pelas dúvidas perguntei qual seria o meu, sem exitar respondeu que seria melhor consultar sua sua tia, porém ela tinha uma leve suspeita que seria algum deus ligado a natureza, as plantas, as ervas de cura. Me disse que eu não precisava me preocupar por que o meu guia se manifestaria a qualquer momento.

Fechei as portas do meu atelier na hora canônica, no meio do caminho para casa esbarrei  com Efrem um maranhense criado no Pará. Ele me parou no meio da calçada e começou a cantar:

Apanha folha por folha, Tatamirô
Apanha maracanã, Tatamirô
Eu sou filha de Oxalá, Tatamirô 
Menininha me apanhou, Tatamirô

Xangô me leva, Oxalá me traz
Xangô me dá guerra, Oxalá me dá paz

Apanha folha por folha, Tatamirô
Apanha maracanã Tatamirô
Eu sou filho de Ossain, Tatamirô
Menininha me adotou, Tatamirô

Oxalá de frente, Xangô de trás
Xangô me dá guerra, Oxalá me dá paz

Apanha folha por folha, Tatamirô
Apanha maracanã, Tatamirô
Eu sou filho de Ogun, Tatamirô
Menininha me ganhou, Tatamirô

Apanha folha por folha, Tatamirô
Apanha maracanã, Tatamirô
Eu sou filha de Inhansã, Tatamirô
Menininha me batizou, Tatamirô

Apanha folha por folha, Tatamirô
Apanha maracanã, Tatamirô
Ela é a Mãe Menininha do Gantois 
Que Oxum abençoou, Tatamirô

Oxalá me vem, todo mal me vai
Xangô é meu Rei, Oxalá é meu pai.

Composição: Vinicius de Moraes / Toquinho


Sou feliz não preciso consultar os deuses, eles se manifestam nas esquinas, basta ouvi-los... 


quinta-feira, 28 de maio de 2009

Codex Gigas


representação do diabo
Quando no ocioso domingo de Páscoa estava praticando meu esporte favorito, que é navegar pelos canais da tv encontrei uma matéria que me chamou atenção - O Codex Gigas ou a Bíblia do Diabo.  Em princípio como se tratava da história de um manuscrito produzido na Idade Média me detive. Fiquei tomada pela ideia, me quedei paralisada diante do tamanho do livro com 90cm de comprimento 50cm de largura, 22cm de espessura 70kg é o maior manuscrito medieval. Sua ventura ao longo da história é por si só fascinante, o próximo passo foi procurar ler tudo o que encontrei na rede. É claro que não faltam bobagens, descrições repetitivas, ocultistas, gente de toda a lavra, especulam sobre a origem do Codex, atribuem ser obra de um único escriba, que teria sido condenado ao emparedamento, para redimir-se propôs escrever um único livro que seria a glória do seu mosteiro. No ano de 1295 o monge apócrifo começa o seu labor, levou 20 anos escrevendo e desenhando. A maioria dos textos que li se referem a figura central - uma representação da figura do Diabo - confesso que não achei grandes coisas é uma representação tosca da figura de Pan
capa do codex
O que me interessou foi:  
1. O suporte - Pergaminho -foram necessários para tal feito o abate de 160 burros jovens. 
2. As tintas empregadas - ouro, prata, lápis lázuli, pau-brasil, terra de ciena
3. A singularidade das Capitulares . 
4. A disposição do texto em duas colunas. 
5. A encadernação capa em madeira revestida com pergaminio e cantoneiras em bronze.

 Muitas perguntas ficaram sem resposta para mim. Sofreu alguma restauração? Qual o tipo de costura empregado? A cola provavelmente de gelatina animal? A linha e que o costurou? Qual a temperatura em que se encontra? Nestes séculos de existencia, sobreviveu a tantas  guerras, e a outro tanto de incêndios como foi possível manter o seu frescor?
Em suas 300 páginas escritas em Latim contém histórias Bíblicas, histórias checas, trabalhos do historiador judeu José Flávio que viveu em Roma no primeiro século de nossa época, as famosas "Orígines" do arcebispo Santo Isidoro de Sevilha séc VII e tratados sobre o corpo humano de Galeno.
Tudo indica que este Codex seja o resultado da dedicação de toda uma vida. Uma vida inteira dedicada a uma única obra. Suas mãos foram embalsamadas, e permanecem em algum relicário de algum mosteiro beneditino. Sequer saberei o seu nome, porém sua obra continua a fazer fortuna.
Li os textos que são uma maravilha, porém a própria história da sobrevivência do Codex é o meu texto favorito.
Tudo começa no Mosteiro Beneditino de Podlazice, onde o manuscrito foi elaborado no século 13. Os monges se endividaram e tiveram que empenhar a sua jóia.  Em 1295 a Bíblia do Diabo foi resgatada pelo mosteiro Beneditino do de Brenov em Praga, durante as guerras dos Hussitas e a seguir a Guerra dos trinta anos de 1618 11648  no século XV o Livro permaneceu guardado no inexpugnável mosteiro de Broumov na Boémia Oriental. Em 1594, o imperador Rodolfo II o resgatou da obscura cela do monastério de Broumov, e o incorporou a sua explêndida coleção de objetos raros. Quando as tropas protestantes suecas tomaram o castelo de Praga em 1648, se apoderaram de toda a coleção de RodolfoII. Desde então o Codex permanece na Biblioteca Real de Estocolmo. Desde o  século XVII o Codex saiu raras vezes da Suécia a primeira vez em 1970 quando foi exibido no Museu Metropolitano de Nova Iorque, e oito anos mais tarde em Berlim.
A terceira vez que saiu da Biblioteca foi após anos de negociações. Negociações que se iniciaram no século XIX entre a república Theca e o governo sueco. O Codex foi levado  a Praga para uma breve exposição e retornando em seguida a Suécia, onde se encontra na seção das obras raríssima da Biblioteca Real de Estocolmo.
Fiquei feliz por tê-lo encontrado e folheá-lo virtualmente foi o prêmio maior que obtive. Meu corpo  se tornará pó e o Codex permanecerá encantando, criando mitos, inspirando neofitos para todo o sempre.
Fontes:

domingo, 24 de maio de 2009

Estatuto da criança e do adolescente

Na madrugada de terça-feira 19 de maio, um menor com 17 anos e sete meses de vida invadiu meu atelier arrombando uma minúscula janela do banheiro, que fica a tres metros do chão. O menor foi preso pela polícia militar que fazia ronda no bairro. Acordei com o telefone tocando, o policial gentilmente me informava que meu atelier havia sido assaltado, sai de pijama pela rua atravessei a esquina e deparei com o palco: Viaturas, quatro policiais e uma sombra algemada. Perguntei o que havia acontecido no relato o policial me disse que estavam fazendo uma ronda quando perceberam um barulho estranho foram até a frente do atelier e observaram que havia alguém mexendo e jogando coisas pelo chão sacudiram a grade e o elemento saiu correndo por onde havia entrado, escalando um muro, mais um telhado com cinco metros de altura. Na tentativa de furto  frustada o que ele pretendia levar era; um rádio, uma furadeira e uma mochila. Todos os objetos foram abandonados durante a fuga. Na delegacia o infeliz  dizia: Sou menor. Na sua ficha corrida havia inúmeras prisões, todas por furtos e assaltos. Porém a sua condição de menor o torna inimputável,  policial de plantão que registrou o fato, fez um boletim de ocorrência circunstanciado - BOC - uma vez que o ladrão é menor e portanto protegido pela lei - Estatuto do Menor e do Adolescente .  Passei a madrugada na 6a. DP em vão no dia seguinte o juiz da vara da infância   e da juventude mandou soltar o meliante. Aos 17 anos e sete meses se tem total liberdade para matar, cometer os crimes que quiser protegido pela lei.
Fotografei o dito ser e quero encontrá-lo para aplicar uma boa surra. Surra que deixei passar por acreditar na lei e desconhecer o tal código que protege estes marginais, se o juiz entender que afronto a lei ou os direitos humanos peço a vossa excelência que vá contar favas em outra instância. 
Este código serve para proteger marginais, assassinos frios como o tal que invadiu a residência de Gabriela Nunes de Andrade   em Rio Claro no interior de São Paulo. Vai dar a lógica logo o "menor" será solto e se nos próximos dias completar 18 anos responderá pelo crime que "supostamente" cometeu com base no estatuto do menor e do adolescente. 
O crime ocorreu, existe a arma do crime,  uma criança morta, a confissão do "menor"  o "suposto" autor da façanha. 
Se não houver uma revisão da lei, a delinquencia juvenil só tende acrescer de maneira exponencial não adianta projetos, ongs e outra Madre Tereza. São criaturas inimputáveis, a lei os protege, podem cometer os crimes que melhor couber.

Caminho a seguir - Livro que estou lendo


Livro que estou lendo.

O  Códex Calixtinus, também conhecido como  "Liber Sancti Iacobi"  foi escrito em diversas épocas  de forma independente. Esta composto por cinco seções ou Livros:

Livro I  - é o mais extenso, trata das homilias e fragmentos referentes a Liturgia do Apóstulo trata dos aspectos espirituais e práticos da Perigrinação  e  forma o nucleo do "Liber".

Livro II - coleção de 22 milagres ocorridos em varias regiões da Europa graças a intersecção do Apóstolo Santiago.

Livro III - é o texto mais curto relata o traslado do corpo de Santiago desde  da Terra Santa até sua chegada na Galícia, relata os costumes dos primeiros peregrinos que recolhiam as conchas marinhas da costa galega.

Livro IV - conhecido como "Pseudo Turpin" foi atribuído ao Arcebispo de Reims na realidade foi escrito por um anônimo do século XII . Este texto relata que Santiago apareceu em sonho a Carlos Magno e o incitou a libertar sua tumba do infiel mulsumano, também indicou o caminho  a seguir, um caminho de estrelas.

Livro V - É o mais famoso de todos, existem dois volumes um que se encontra na Igreja de Santiago em Compostela e uma cópia na biblioteca da Antuérpia. Antuérpia, cidade que foi espanhola, considerada a cidade dos diamantes,  dos mapas e também é o ponto de partida para quem puder fazer a peregrinação.

É o mais fascinante guia de viagem que li, uma vez que viajar não é preciso e viver custa caro. Este guia do Peregrino nos transporta  para os feitos dos peregrinos do século XII . Existem inúmeras publicações em espanhol e em francês  disponíveis na rede. Recomendo esta leitura que é puro deleite.

A primeira compilação deste guia medieval foi feita por Aymeric Picaud, clerigo de Poitou, sob o papado de Calixto II em 1.139 desde então o Liber Sancti vem circulando.

 Quero fazer o caminho como recomenda o guia, no momento lê-lo é um refrigério para minhalma torpe.


 

onde ler:  

 http://pagesperso-orange.fr/ultreia/codex5.htm

http://libro.uca.edu/sjc/sjc.htm

http://tell.fll.purdue.edu/RLA-Archive/1994/French-html/Gerson,Paula.htm

quarta-feira, 13 de maio de 2009

Faço suas minhas palavras

Tenho especial carinho por ti Janer e partilho contigo do asco pelo celular. Tive um aparelho que ganhei e confesso que não sei onde deixei, perdi em alguma gaveta.
O celular é um tormento para mim, o que é  talvez, uma alegria para outros...Gosto de ouvir música, trabalhar  em silêncio cada vez que o maldito aparelho tocava tinha um sobre-assalto pensei que estava ficando cardíaca dado o tamanho do susto. Sempre me ocorria os piores pensamentos, em um átimo meu mundo de paz caia... Atendia o aparelho, do outro lado um interlocutor mal educado me perguntava - a Carla esta? Ou desculpe é engano ou compre um carro.  Como não me chamo Carla e comprar um carro me parece uma sandice, atirei o indigitado em algum lugar. 
Não sinto a menor falta vivo mais tranquila sem palpitações, ouvindo Chopim e costurando cadernos. Quem precisar dos meus serviços me mande um e-mail que será prontamente respondido.  
Leia o post  -  Nova praga vira item dos direitos humanos em http://cristaldo.blogspot.com

domingo, 3 de maio de 2009

Livro digital


"Sou um crente na democratização do saber. A invenção da imprensa foi uma etapa essencial neste processo, que logo continuou se desenvolvendo no final do século XIX , graças a utilização da pasta de papel e das prensas com motor a vapor . A digitalização dos livros é uma nova etapa. É uma perspectiva emocionante. A ferramenta de busca Google colocará o conhecimento acumulado nos livros ao alcance de todos, ou quase todos, desde que tenham acesso a internet..." É o que afirma em entrevista Robert Darnto segundo o entrevistado não há o que temer, pois o livro não deixará de existir tal como o conhecemos será apenas mais uma jornada rumo ao futuro. Um futuro que parecia distante - utópico - agora tangível. continue lendo em http://rincondelbibliotecario.blogspot.com/2009/05/la-biblioteca-google-entrevista-con.html