sexta-feira, 29 de maio de 2009

Tatamirô

Na minha terra, tomei muitos  banhos de cheiro. Hoje me lembrei dos perfumes inebriantes do quintal da minha casa. Do cheiro forte do patcholi, da mangerona, das mangueiras em flor, da catinga de mulata, do alecrim do norte, do pau rosa, do latex,  do cedro, do forte odor do coentro. Estas lembranças me foram atiçadas quando ouvi as histórias contadas por Janaina.  Janaina me falou de sua avó, das histórias do morro do 25, do quintal de sua família, de sua tia benzedeira, sobre os Orixas. Pelas dúvidas perguntei qual seria o meu, sem exitar respondeu que seria melhor consultar sua sua tia, porém ela tinha uma leve suspeita que seria algum deus ligado a natureza, as plantas, as ervas de cura. Me disse que eu não precisava me preocupar por que o meu guia se manifestaria a qualquer momento.

Fechei as portas do meu atelier na hora canônica, no meio do caminho para casa esbarrei  com Efrem um maranhense criado no Pará. Ele me parou no meio da calçada e começou a cantar:

Apanha folha por folha, Tatamirô
Apanha maracanã, Tatamirô
Eu sou filha de Oxalá, Tatamirô 
Menininha me apanhou, Tatamirô

Xangô me leva, Oxalá me traz
Xangô me dá guerra, Oxalá me dá paz

Apanha folha por folha, Tatamirô
Apanha maracanã Tatamirô
Eu sou filho de Ossain, Tatamirô
Menininha me adotou, Tatamirô

Oxalá de frente, Xangô de trás
Xangô me dá guerra, Oxalá me dá paz

Apanha folha por folha, Tatamirô
Apanha maracanã, Tatamirô
Eu sou filho de Ogun, Tatamirô
Menininha me ganhou, Tatamirô

Apanha folha por folha, Tatamirô
Apanha maracanã, Tatamirô
Eu sou filha de Inhansã, Tatamirô
Menininha me batizou, Tatamirô

Apanha folha por folha, Tatamirô
Apanha maracanã, Tatamirô
Ela é a Mãe Menininha do Gantois 
Que Oxum abençoou, Tatamirô

Oxalá me vem, todo mal me vai
Xangô é meu Rei, Oxalá é meu pai.

Composição: Vinicius de Moraes / Toquinho


Sou feliz não preciso consultar os deuses, eles se manifestam nas esquinas, basta ouvi-los... 


Nenhum comentário: