Encadernação Artística

domingo, 17 de julho de 2011

Associação des Amigos do Arquivo Público de Santa Catarina.

No número da e-concervation magazine.
Lendo o editorial da revista assinado por seu diretor executivo Rui Bordalo, fico pensando por que deixar extinguir a Associação dos Amigos do Arquivo Público de Santa Catarina? Por que ficar omissa diante de uma tragédia? 
Esse editorial traduzido a machado, porém é claro. A mensagem nos faz refletir sobre a vida, se existem centenas de ONGS que protegem desde o mosquito da dengue por que não começar também a organizar uma ong que defenda o direito a existência da AAAPSC, ao invés de matá-la. Quem fez parte da AAAPSC sabe que é uma associação de interesse público que desenvolveu ações de educação,  promoveu a conservação do patrimônio público, é uma referência. Perdê-la assim no más e assumir um profundo desprezo por si próprio, é dizer para a sociedade catarinense que todo o trabalho que foi realizado desde 1984, não foi válido.

http://www.e-conservationline.com
Vamos ao texto.

EDITORIAL132Julho 2011
 
A Dignidade da Associação

A maioria de nós somos membros de pelo menos uma associação profissional.Existem várias razões pelas quais nós escolhemos para ser parte de uma. Podemos buscar o reconhecimento profissional e prestígio por pertencer a uma organização respeitável. Podemos estar interessados ​​em benefícios tais como informações a socialização e educação. Taxas de adesão são uma pedra fundamental para as associações, mas na verdade, elas não existem para nos servir, porque nós pagamos. Elas existem para proteger os interesses comuns e nossos membros ajuda e que lhes permite fazer isso. As taxas que pagamos pode ser visto como um investimento que traz resultados a curto e longo prazo. No curto prazo, nós nos beneficiamos de seus descontos e publicações gratuitas, participar de seus eventos, etc, e enquanto a maioria dos membros são atraídos por estas drawcards, é a benefícios a longo prazo que realmente importam para a profissão. Na verdade, o que as associações fazem por nós é para nos trazer o reconhecimento pelos órgãos governamentais e da sociedade em geral, para ajudar na aprovação de leis nacionais que protegem a nossa profissão o património cultural, estabelecer critérios para acesso à profissão, para elaborar as normas a nível nacional e níveis internacionais que representam os nossos interesses e não os de profissionais associados, tais como arquitetos ou construtores, por exemplo.
Mas não vamos confundir as associações de profissionais com as associações de profissionais ". Por padrão, as associações de profissionais conservadores-restauradores desenvolvem o seu trabalho de forma voluntária, pois o número de membros em cada região ou país geralmente não podem permitir a manutenção de empregados em tempo integral. Por isso, e apesar dos esforços afiado, o trabalho vai ser lento e os resultados levam tempo para  acontecer. Ainda assim, estes esforços têm um papel muito importante na defesa da nossa profissão e até mesmo em sua própria definição.
O pior que podemos fazer é ficar em silêncio, ser invisível. Ninguém se importa com nós quando eles lá fora não sabem que existimos. Se somos invisíveis, nós não importamos. Isso é especialmente o caso no que diz respeito aos formuladores de políticas do governo, é preciso que eles saibam que estamos aqui, que importa e que eles têm para agir nos levando em conta. Para esse efeito, precisamos de uma voz, e as associações são a voz.
Por exemplo, a Espanha tem vários programas de formação em conservação-restauração: seis Escuelas Superiores fornecendo licenciatura equivalente graus e cinco universidades fornecendo tanto bacharelado e mestrado. No entanto, uma recente lei foi aprovada pelo governo central em que apenas a formação de Escuelas é oficialmente reconhecida, relegando os níveis de mestrado e doutorado para as universidades. Além disso, conservação e restauro na Escuelas foi agrupado com os programas de artes, como música, dança, cerâmica, design, etc, o que mostra quão pouco os juristas sabem sobre o nosso campo. Estamos ainda muitas vezes rotulados no pacote das artes e ofícios! Apesar de seu tamanho, a Espanha tem relativamente poucas associações que trabalham, nenhum a nível nacional, o que pode explicar porque os conservadores não são ainda tidos em conta, como deveriam ser.
Além disso, no outro lado da Europa, a Escola dinamarquesa de Conservação foi recentemente se fundiu com outras escolas de Belas Artes, Arquitetura e Design. Durante a fusão, a conservação poderia ter sido relegado para uma posição secundária se não tivesse sido  as muitas vozes que reconheceram sua importância, e ajudou a colocá-lo na sua posição merecida.
Mais do que nunca, é importante ter uma voz. Ser um membro de nossas associações e usando nossa sociedade no caminho certo, tendo a voz como base. Claro que existem algumas associações que são latentes, ineficazes ou vivem no passado, mas na verdade é nosso dever como membros de lhes dar um empurrão e exigir mais delas. Nós não fazemos a associação, a associação que nos faz.
Rui Bordalo,Editor Executivo

Nenhum comentário: