sábado, 6 de outubro de 2007

Erro logo acerto e continuo


Sou sonâmbula sempre me vejo com os olhos semi cerrados atravessando uma ponte que não me leva a lugar algum fixo prefiro creditar aos astros prefiro não pensar não me deixar levar pelo fígado o fígado revela grandes segredos todos os dias pela manhã transformo a bile em papel marmorizado a minha a do boi a do linguado esta foi minha última descoberta marmorizar papel é como cozinhar o mesmo prato todos os dias não existe uma fórmula mágica é pura experimentação erro logo acerto e continuo faz algum tempo que marmorizo papel já perdi a conta dos experimentos que faço as possibilidades são infinitas acordo e vejo claramente um battal logo me transporto para Amisterdã de Amisterdã para o Recife do Recife para a Nova Recife toca o telefone a ligação é à cobrar uma vóz tremula do outro lado da linha me puxa do sonho e me chama de mãe me pede socorro..diz que foi sequestrada desligo o telefone fecho a porta do século em dois minutos o telefone volta a tocar é sempre a mesma criatura desta vez na versão mais histérica vou passear até que o terrorista desista de me ligar e falar em sequestro esta é a sociedade que construimos...perco muito tempo tudo o que resta é a alegria de saber que Ebru significa nuvem este estado permanente de topor me faz voltar para Anatólia de Anátolia sigo para Amisterdã de Amisterdã parto para Recife de Recife para Nova Recife...

Nenhum comentário: