Encadernação Artística

domingo, 25 de fevereiro de 2007

Cadernos

Em Florianópolis não há cursos de encadernação, menos ainda de restauração de papel e caos avança quanto se trata de marmorização de papel. O caminho que percorrir foi árduo, durante tres anos pesquisa, lendo e praticando todas as tutoriais que encontrei na web, cheguei há um bom termo, tanto técnico quanto teórico. Fico surpresa quando sou procurada para ministrar cursos sobre os processos de encadernação e pequenos reparos em livros. A surpresa vai além, quando encontro pessoas que fizeram cursos em S. Paulo e sequer ousam trocar idéias sobre encadernação. Há um medo muito grande elas são cheias de mistérios e segredos de oficio. Quando mostro o trabalho que realizo cotidianamente, perguntam-me com quem aprendi, repondo com uma lista de links e me disponho a compartilhar a informação.
O caminho da marmorização de papel foi até surrealista, a procura pelo fel de boi foi um delírio, a proprietaria da única loja de material para pintura me disse que eu fosse procurar no frigorifico, não desisti, falei com o meu açougueiro, ele me assegurou que havia nos matadouros clandestinos de Tijucas . Liguei para um obscuro matadouro, e a informação foi: "a Renner compra todo o estoque e portanto não temos para vender no momento, que esperasse mais uma semana". Uma semana é uma eternidade, voltei p/ web e encontrei o sitio da winsor e newton a seguir a palavra mágica oxgall. Voltei à loja de material de pintura e sem dar a mínima para o vendedor em contrei 04 vidros do precioso líquido. Para comprar sulfato de alumínio foi mais fácil, andei por todo o continente, nas lojas de produtos para laboratório e nada. Não desisti, encontrei na lista o telefone de um representante comercial. De volta à ilha 05 horas depois cá estava feliz da vida com um kilo de sulfato de aluminío...hehehehe
É claro tive que fazer os pentes descobrir a temperatura ideal da água, muitos erros e muitos acertos também. Porém eu consegui. E guardo com carinho as primeiras amostras dos padrões históricos, principalmente dos que não deram certo na primeira tentativa, aprendo muito com eles.
Agradeço a Leda que sempre me apoiou nas minhas pesquisas, ouve toda a lamuria e partilha dos momentos felizes no laboratório do arquivo. Agradeço a AnaLúcia pela enorme paciência, eu sei que não é fácil aturar uma criatura monotemática.

Um comentário:

cadernos afetivos disse...

Oi Kezia!

Cheguei até seu blog pelo Miguel. Também faço encadernações, e também gosto de compartilhar conhecimentos. Meu caminho de aprendizado não foi tão árduo, para mim sempre foi um prazer, embora hoje não faça encadernações como profissão.
O interesse por encadernações artesanais tem crescido, muita gente também me pede cursos, darei uma oficina nesse semestre na Udesc.
Anota meus contatos, vamos conversar!

mardepapel@gmail.com

http://www.flickr.com/photos/mardepapel/
(poucas fotos postadas, por enquanto)

Projeto poético Cadernos Afetivos
http://www.cadernosafetivos.blogspot.com/